Na morte de Fernando Lopes

Há uma semana, falámos de Marcos Portugal e de quanto a sua música continua a ser esquecida. Fernando Lopes foi um dos que a mantiveram viva, utilizando em O Delfim, de 2002, excertos de La Morte di Semiramide. Aqui fica uma breve evocação, no adeus ao cineasta.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s