Na morte de Fernando Lopes

Há uma semana, falámos de Marcos Portugal e de quanto a sua música continua a ser esquecida. Fernando Lopes foi um dos que a mantiveram viva, utilizando em O Delfim, de 2002, excertos de La Morte di Semiramide. Aqui fica uma breve evocação, no adeus ao cineasta.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s