Na Outra Margem 04/10/2012

Foto: João Messias

Encontrava-se a trabalhar num novo projecto de teatro musical, no esteio de Das Märchen e La Douce. Emmanuel Nunes, falecido a 2 de Setembro, foi artesão de uma obra idiossincrática construída desde a década de 1960, que atingiu dimensão internacional através dum importante apoio da Fundação Calouste Gulbenkian que permitiu a sua circulação e registo em fonogramas. Compositor, mas também pensador, polemista, autor de muitos textos reunidos no volume “Emmanuel Nunes – Escritos e Entrevistas” (ed. CESEM/ Casa da Música, 2010), teve um papel importante da formação de jovens compositores, no Conservatório de Paris mas também em Lisboa, nos Seminários da Gulbenkian. Neste Na Outra Margem, evocamos Nunes, através dos depoimentos de três compositores de diferentes gerações que foram seus alunos (João Rafael, Pedro Amaral e Jaime Reis) e duma entrevista com a pianista Madalena Soveral, que gravou para CD “Litanies du Feu et de la Mer” (ed. Numérica), o musicólogo Mário Vieira de Carvalho, presidente do CESEM e amigo do compositor, e o também musicólogo Paulo de Assis, coordenador do livro atrás referido e do simpósio internacional que há  quase um ano teve lugar na Culturgest.

Para ouvir em podcast a partir de 4 de Outubro.

Parte 1                                                  Parte 2

Anúncios