Na Outra Margem 17/08/12 – dose dupla

Depois de duas semanas de ausência forçada, Na Outra Margem regressa – e com dose dupla, para compensar! Duas entrevistas, a propósito de dois concertos agendados para este fim-de-semana em Guimarães CEC 2012 – e, num âmbito mais vasto, sobre a música portuguesa oitocentista, em que se destacam as figuras dos compositores Francisco António de Almeida e Pedro António Avondano. Ambos têm sido centrais na actividade dos agrupamentos Capella Joanina, Flores de Mvsica, Avondano Ensemble e Divino Sospiro.

Na primeira entrevista, o cravista João Paulo Janeiro, director artístico dos dois primeiros – que muito recentemente viram publicado o CD que gravaram do Te Deum de Almeida (ed.MAAC) – e membro do terceiro (que a 17 de Agosto leva ao Paço dos Duques de Bragança um concerto com trios de PA Avondano – repetido dois dias depois, na Igreja da Misericórdia, em Oeiras, quando fará a pré-apresentação dum novo CD, monográfico desse compositor).

Ouvir em podcast:

Parte 1                               Parte 2

Na segunda, o violetista Massimo Mazzeo e a violinista Iskrena Yordanova, respectivamente director artístico e membro do Divino Sospiro, que no sábado propõe um programa que inclui obras de Almeida, Pietro Giorgio Avondano e Pedro António Avondano, compositores que gravou para o CD publicado no início deste ano: 1700 – The Century of the Portuguese (ed. Dynamic).

Ouvir em podcast:

Parte 1                                       Parte 2

Na Outra Margem 06/06/2012

Foto. Eurico Carrapatoso

Uma longa carreira dedicada ao piano, divergente dos trajectos tradicionais, abordando repertórios que incluem música portuguesa. Por entre uma extensa discografia, gravou Carlos Seixas, Francisco de Lacerda, Jorge Peixinho e Fernando Lopes Graça – retornando a este no seu novo CD-duplo, monográfico, que inclui quatro obras do compositor tomarense, três das quais nunca antes registadas, entre elas o histórico Canto de Amor e de Morte, na versão original. A razão para a abordagem desta obra que Lopes Graça não queria que fosse tocada é o ponto de partida para uma saborosa conversa com o pianista brasileiro José Eduardo Martins, em que se fala do seu percurso e opções artísticas, de música portuguesa e brasileira e da dupla  digressão que o traz de regresso ao nosso país, ao lado da mulher, a pianista Regina Normanha Martins, para recitais e workshops com repertório de compositores nacionais. Entre 31 de Maio e 18 de Junho, em Lisboa, Évora, Tomar e Braga, o pianista tem vindo a apresentar o novo CD e, em estreia absoluta, duas obras de Eurico Carrapatoso e João Francisco Nascimento.

Ouvir em podcast:

Parte 1                 Parte 2

 

José Eduardo Martins na estreia de Missa sem Palavras, de Eurico Carrapatoso, no passado sábado, em Évora.

Na Outra Margem 16/05/2012

Três anos de existência, que se traduzem por uma base de dados da música portuguesa (o Atrium), perto de trinta concertos, a publicação semestral de uma revista (a Glosas), a co-organização de um concurso de piano (o Concurso Olga Prats) e, além de outras iniciativas, uma colecção de CDs (Melographia Portugueza) – cujo primeiro título, com sonatas de Carlos Seixas, interpretadas no cravo Antunes por José Carlos Araújo, vai ser apresentado no próximo sábado, 19, às 17h, na Biblioteca Nacional de Portugal. Na mesma sessão/concerto, em que participarão os cantores Ana Paula Russo, Ariana Russo e Pedro Cachado e o cravista Nuno Lopes, interpretando obras de Marcos Portugal, o Movimento Patrimonial pela Música Portuguesa-MPMP, a associação cultural sem fins lucrativos por detrás destas iniciativas, lançará o nº 5 de Glosas. Estes tópicos, bem como a obra para tecla de Carlos Seixas (de que este novo CD constituirá o 1º volume da gravação e publicação integral), vão estar em cima da mesa, numa conversa com Edward Luiz Ayres d’Abreu e Duarte Pereira Martins, da direcção do MPMP, e José Carlos Araújo.

Para ouvir no próximo Na Outra Margem, a partir de 16 de Maio, em podcast.

Parte 1                      Parte 2                       Parte 3